sexta-feira, 17 de junho de 2011

Boletim de ocorrência, pregado no portão de uma residência, evita que os moradores sejam agredidos.

Imagem obtida em 16/06/2011 preservando as partes e o distrito.
As leis são feitas para proteger os cidadãos e a função da justiça é colocar todos os meios disponíveis para que essa proteção aconteça.
Está ocorrendo em Sorocaba, no interior de São Paulo, um fato inusitado.
Uma senhora colocou, no portão de sua casa, um boletim de ocorrência que descreve fatos ilegais, especificando quem é o autor e as ameaças que estão sendo feitas por pessoas que não respeitam seus direitos, bem como as ameaças à sua integridade física.
Creio que seja o momento das medidas judiciais serem aplicadas com mais rapidez.
Tal fato, certamente, ainda não foi investigado ou resolvido. Se a ocorrência tivesse sido solucionada, o documento não estaria fixado na entrada da casa.
Como cidadã, essa senhora encontrou uma alternativa para se defender, mostrando que, nos dias de hoje, a publicidade de um fato ilegal é a forma mais segura de proteção individual ou coletiva.
Havia a necessidade de chegar a esse ponto? O que a levou a tomar uma atitude extrema?
O espaço está aberto para comentários.

7 comentários:

Shasça disse...

Obviamente a pessoa em questão não acredita na eficiência e aplicabilidade da legislação brasileira.
O X desta questã é: o brasileiro está sempre clamando Justiça! agora, no coletivo, os brasileiros querem mesmo que a Justiça seja justa?

Gy Camargo disse...

Shasça
Creio que no coletivo, a "coletividade" se desfaz a partir do momento em que os interesses próprios (na maioria das vezes os interesses financeiros)entrem em conflito com o que é justo, legal (na forma da lei), constitucional e humanitário.
Obrigada por comentar com questionamentos tão pertinentes.

Gy Camargo disse...

Comentário mais do que oportuno e verdadeiro, de um colega carioca, no meu Linked In. Tomo a liberdade de postar, bem como divulgar a página do autor desse comentário mais do que oportuno: Li há tempos um estudo sobre psicopatia onde se dizia que um dos maiores medos do pasicopata é o de ser desmascarado.
Obrigado,
Antonio
www.lacerdadebarros.com

Gy Camargo disse...

Segundo a psicologia e a psiquiatria forense, os psicopatas acreditam que os desatinos que cometem são plausíveis. Cabe à justiça e a sociedade coibir esses abusos.
Recomendo a leitura do livro Mentes Perigosas da autora Ana Beatriz Barbosa Silva, sinopse:http://www.sinopsedolivro.com/2009/08/mentes-perigosas-o-psicopata-mora-ao.html e o uso de todos os dispositivos cabíveis, dentro da lei, para coibir e encerrar casos de abuso como esse e tantos que permeiam a nossa sociedade. "Quem sabe faz a hora" e age da forma adequada e no momento certo.

profjessicasombra disse...

Simplesmente nem sei o que dizer direito... É um fato bastante inusitado, um protesto silencioso e, ao mesmo tempo, eficiente.

Gy Camargo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gy Camargo disse...

(Errei no comentário acima.)

Profa. Jessica Sombra.
Eu também fiquei surpresa.
Como há um surto de dengue na região, parei para olhar, pensando que fosse uma casa interditada. Qual foi a minha surpresa, quando li que, segundo o B.O., essa senhora (cujo marido é deficiente físico) trabalhava para um homem que teve a falência de sua empresa decretada e os direitos trabalhistas foram pagos. Ocorre que, o mesmo homem, era o seu locador e exigiu os aluguéis. Sem salário, a senhora não pôde pagar e ele ameaçou ir, ainda segundo o B.O, "com dez caras", retirá-la da casa à força.
Por isso que achei inusitado, mas extremamente eficaz. Ele pensou que sairia impune porque a senhora é casada com um deficiente físico.
Obs: Nessa rua há uma feira e ela colocou no dia da feira. Publicidade do ato bem efetiva.